placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
24
jan
2011

“O que Marataízes tem?” (ou relato – gigante – da caminhada às falésias de Marataízes)

Eu sei que estou devendo outros posts sobre os atrativos da nossa Vila Bela. Mas eu preciso dar só mais uma pausa nessa série para fazer o relato da minha caminhada às falésias de Marataízes – que eu anunciei aqui – antes que o turbilhão de informações que eu guardei na memória se perca por aí.

Na verdade, o despropósito desse meu relato é duplo. Além de interromper a série sobre Vila Velha que eu me comprometi a fazer, ele também se adianta à apresentação das duas rotas oficiais a que pertence o município de Marataízes: a Rota dos Vales e do Café e a Rota da Costa e da Imigração.

Mas, logo logo, você vai entender – e compreender – o porquê dessa antecipação!

O passeio, como eu já disse aqui, foi organizado pela ONG Caminhadas e Trilhas, de Cachoeiro de Itapemirim. Seu objetivo é apresentar aos veranistas algo que poucas pessoas conhecem: a beleza e a história das falésias de Marataízes. Foram 18km de caminhada pela praia (se bem que eu achei que foi menos), saindo da ponta das falésias, na comunidade de Boa Vista até o Bar do Geredy’s, na Praia da Colônia, passando pelo centro.

No fim das contas, só eu fui à caminhada. Meus amigos blogueiros furaram e a Renata, minha esposa, achou a desculpa que precisava quando o professor da academia disse que ela não devia caminhar tanto! O engraçado é que ele insiste para eu participar de corrida e maratona, não é mesmo Egydio???

Acordei 04:45 da madruga para chegar ao lugar combinado às 05:15. O dia nem amanhecera direito e o céu ainda estava escuro. Aproveitando que eu fora um dos primeiros a chegar e que o comboio demoraria a sair, tirei algumas fotos do píer e da praça da praia central que, se você ainda não sabe, está devidamente aterrada e recuperada da recente – e impressionante! – invasão do mar (há alguns anos a água do mar tomava a faixa de areia da praia e avançava sobre a Av. Atlântica de Marataízes na maré alta, causando bastante erosão e transtornos para a cidade).

Píer da Praça da Praia Central

A Igreja de Nossa Senhora da Penha

Às 05:45, foi servido um café da manhã bem nutritivo com pão, presunto, queijo, café, achocolatado, sucos e frutas, muitas frutas.

O café da manhã

A Unimed Sul Capixaba, uma das patrocinadoras do evento, nos presenteou com esse simpático chapeuzinho.

Aos poucos o salão lotava. Muita gente de Cachoeiro, claro; mas muitos turistas “de fora” também aproveitavam a oportunidade de sair da rotina. Entre tanta gente, tive o prazer de conhecer uma figura ilustre: o Sr. Reynaldo Monteiro, amante da fotografia e dono de fotos lindíssimas de Marataízes (veja aqui).

Foi só o sol dar as caras com toda a sua exuberância multicor para eu e várias outras pessoas correrem à beira-mar na tentativa de registrar aquele espetáculo! O máximo de fidelidade que eu consegui para tanta beleza foi isso:

O nascer do sol

Olha o Sr. Reynaldo aí aproveitando para fotografar também...

Já passava das 06:30 quando a organização nos reuniu para partir em retirada. Ao todo, três ônibus e um “trenzinho da alegria” (pelo menos, esse era o nome que ele tinha quando eu era criança) foram deslocados para levar o pessoal até o local da saída. Enquanto a maioria se amontoava para garantir seu lugar ao sol – e ao som – no trenzinho, eu aproveitei para curtir uma sombra, um silêncio e, principalmente, uma soneca num daqueles ônibus renegados…

06:50 já estávamos na estrada.

Foram aproximadamente 30 minutos até o destino final: a comunidade de Boa Vista. Nos curtos intervalos de tempo em que mantive meus olhos abertos, pude conhecer as famosas plantações de abacaxi que fazem do município de Marataízes o maior produtor brasileiro dessa fruta! E, de repente, eu percebi que era a primeira vez na vida que eu via uma plantação de abacaxi!!! Dá para acreditar?

Os famosos abacaxis de Marataízes

Antes de darmos início à romaria, a turma se reuniu em volta do “trenzinho” para uma aula de história. Em 10 minutos de fala, o historiador João Eurípedes explicou que a região que estávamos prestes a conhecer fora considerada o trecho mais temido da antiga estrada geral (a via que ligava Salvador ao Rio de Janeiro pela praia na época da colonização) por conta dos índios botocudos, que eram guerreiros ferozes e inimigos dos homens brancos. Além disso, ele contou que ali – mais precisamente, no Quartel de Boa Vista – nascera um dos capixabas mais ilustres da nossa história: Domingos Martins (para quem acha que Domingos Martins é apenas o nome da nossa principal cidade serrana vale a pena ler um pouco sobre sua vida aqui).

Mais 15 minutos para um alongamento coletivo… e pronto! Botamos o pé na areia!

As falésias não demoraram a aparecer. Bastou avistá-las se aproximando no meu campo de visão para eu respirar aliviado! Sim, as falésias de Marataízes são lindas e merecem, sim, a sua visita!

Eu confesso que estava bastante receoso quanto ao veredicto final da minha visita às falésias. Eu já contei aqui o meu defeito de criar expectativas demais sobre as redondezas dos lugares que eu visito, confiando em descobrir recantos até então desprezados pelo turismo de massa. E, considerando que eu pouco tinha ouvido falar dessas falésias (e olha que eu passei a freqüentar Marataízes desde o verão de 2006), eu não podia evitar que, subitamente, a desesperança abafasse a minha empolgação!

Mas não é que, dessa vez, eu me surpreendi positivamente? As falésias de Marataízes são mesmo um monumento natural admirável que nós, capixabas e turistas, precisamos aprender a valorizar e preservar. Elas são enormes em tamanho e extensão, selvagens, multicoloridas e incrivelmente belas! Por alguns momentos, eu chegava a me transportar para o Taípe, em Trancoso-BA, ou para o Chapadão, em Pipa-RN, cujas falésias encantam gente do mundo inteiro. Mas era só eu recobrar a sanidade para perceber que, não, eu não estava no Taípe, muito menos no Chapadão de Pipa! Eu estava aqui mesmo, no Espírito Santo, bem do lado da minha casa, curtindo um visual que eu sequer imaginava existir!

E já que eu estou sendo meio clichê com toda essa empolgação, que eu seja clichê por inteiro! Ao andar pelas falésias de Marataízes, eu só conseguia pensar na música: “isso aqui ôô, é um pouquinho de Brasil iáiá…” É isso que dá não ter um Ipod ou um desses MP3, 4, 5 etc para curtir os momentos de solidão e silêncio!

Como você já deve ter percebido, eu não conseguia parar de fotografar. A todo o momento, eu me perguntava porque cargas d’água aquela paisagem não constava em nenhum folder de propaganda turística do Governo do Estado. E me perguntava também porque poucos são os turistas de Marataízes que se dispõem a pegar praia por aquelas bandas.

Fala sério comigo: qual lugar você considera melhor e mais agradável para se curtir um dia de praia em Marataízes?

Aqui:

Vista da Praia Central

Ou aqui:

Algum lugar no meio do caminho entre as praias de Boa Vista do Sul e Cações

Eu reconheço todo o esforço de reconstrução que a Prefeitura de Marataízes e o Governo do Estado estão fazendo para revitalizar a orla da praia central da cidade e devolver o seu brilhantismo dos velhos tempos. Mas, sentimentalismos à parte, eu não preciso dividir a minha praia com carros, palco, som alto e mesinhas de plástico, nem mesmo andar quilômetros em areia dura para nem sequer entrar no mar quando eu tenho a paz, a beleza e a tranqüilidade de um lugar desses a minha disposição!

– Mas lá não tem infra-estrutura de apoio!, você poderia replicar.

Oxe? E o que me impede de levar a minha própria comida e bebida para a praia?

Farofeiro? Eu? Tsc, tsc, tsc… Tá na hora de você rever seus conceitos. A não ser que as celebridades e ricaços que freqüentam as praias de Gouverneur e Salines em St. Barth, no Caribe, estejam incluídos no seu conceito de farofa. Duvida? Então dá uma lida aqui.

Mas, se mesmo assim, você não está disposto a incluir os preparativos do pic-nic no seu ritual praiano, você ainda tem a opção de relaxar, com as falésias no seu skyline, em alguns dos poucos pontos de apoio que eu avistei ao longo do trajeto. Mau gosto por mau gosto, é bem melhor ficar aqui:

Barraca de Praia na Praia dos Cações

Já pensou se esse barraqueiro resolve trocar essas mesinhas e bancos por espreguiçadeiras como essas que eu vi em Trancoso?

Bar de praia da Pousada Uxua, Trancoso-BA

Ou essas que eu vi no Corumbau?

Bar de praia na Ponta do Corumbau

A gente nem precisava do mar azul que a Bahia tem para curtir um dia de praia realmente inesquecível aqui no Espírito Santo mesmo…

E aí, quem sabe?, com o incremento do número de banhistas por essas bandas (sim, porque, considerando a distância que o lugar está do centro de Marataízes, seria demais querer que ele ficasse eternamente selvagem, né?), algum empreendedor mais ou menos descolado resolva aproveitar o “visu” das falésias e montar uma barraca de praia realmente bacana, daquele tipo que brota na Bahia e se extingue no Espírito Santo.

Eu sei que tô sonhando “pacas”, como sempre… mas seria demais pedir para alguém “importar” da Bahia isso?

Praia do Espelho, Trancoso-BA

Ou isso?

Bar de praia da Pousada Bahia Bonita, Trancoso-BA

Um dia, quem sabe?, um dia…

Em se tratando de Espírito Santo, se as falésias de Marataízes continuarem do jeito que estão já estará de bom tamanho (eu prometi a mim mesmo não entrar na discussão em torno dos benefícios/malefícios que a implantação de um complexo industrial minerador no município vizinho de Presidente Kennedy – mais um entre tantos que já existem por aqui – poderá trazer ao nosso maltratado litoral…).

Mas, voltando ao que realmente interessa, a primeira metade do passeio – duas horas depois – terminou no Camping do Siri, onde foi oferecido um banquete de frutas revitalizante. E como não poderia deixar de ser, abacaxi! Muito “abacaxi de Marataízes, o da polpa amarela!” (como não cansava de recitar, uma moça com um tom de voz bastante estridente…)

A partir desse ponto, as falésias acabam e o visual retorna ao padrão Marataízes de ser. Se eu tivesse me dado conta de que seria assim, teria interrompido minha caminhada por lá mesmo. A não ser que você queira realmente testar os limites dos seus pés e incorporar o espírito de andarilho, dispense essa parte do trajeto. O melhor mesmo está entre a Praia de Boa Vista do Sul e a do Siri!

Nas outras duas horas de passeio que eu gastei até o píer da praça central (eu acabei não me estendendo ao Bar do Geredy’s na Praia da Colônia), só um detalhe me chamou a atenção: a cor do mar! O mar em Marataízes tem transitado bastante entre o seu tradicional tom de marrom e um verde estupidamente verde! Ponto para os novos “píers” construídos ao longo da orla que, de algum modo, impedem a “marronização” provocada pelas águas do rio Itapemirim.

Apesar de "perigoso", o mar da Praia Central tem ficado verde!

Era exatamente 12:30 quando eu cheguei no píer da praça central. E, depois de garimpar o lugar mais interessante visualmente para almoçar durante o trajeto, fomos parar – eu e Renata – lá no Cia do Peixe.

Restaurante Cia do Peixe

O lugar é muito bem montado, mas o serviço deixou um pouco a desejar: sofremos com os atrasos da cozinha e também na hora de pagar a conta. Mas a comida foi satisfatória.

Só faria duas ressalvas ao dono da casa: a) a casquinha de siri seria melhor se fosse baseada apenas na carne de siri desfiada – e não numa mistura pastosa com catupiry; e b) a porção do bobó de camarão poderia ser realmente para duas pessoas – e não três – com uma pequena redução no preço, que é R$78,00.

Depois de tudo isso, já deu para descobrir “o que Marataízes tem?”

Informações úteis:

As falésias de Marataízes se espalham por todo o trecho entre as praias de Boa Vista do Sul e dos Cações. Para chegar até lá, é só pegar o rumo do Camping do Siri e seguir “reto” na Rodovia ES 060. A estrada margeia todo o litoral e, durante o trajeto, você verá acessos para a praia.

E se você gostou do passeio organizado pela ONG Caminhadas e Trilhas, programe-se para 2012. A data da próxima caminhada às falésias já está marcada: será no dia 21/01/2012.

Comente via Facebook

comentários

36 respostas para ““O que Marataízes tem?” (ou relato – gigante – da caminhada às falésias de Marataízes)”

  1. Alessandra Spinasé disse:

    Que post MARAVILHOSO!! Não conheço Marataízes, mas depois dessas fotos maravilhosas, vou corrigir isso logo! Parabéns pelo relato, pelas fotos; tudo lindo!

  2. Paulinha disse:

    Tiago!!!

    Adorei o post!!! Você resumiu em poucas palavras como é Marataízes, um lugar lindo!!!

  3. tiagodosreis disse:

    Ops, meninas! Assim vocês me deixam envergonhado… 😉
    Brigadão pela visita!

  4. Débora disse:

    Oi Tiago,
    Como também dei uma passadinha aqui e vi que já tinham comentários, deixo o meu tb: adorei o relato!!! As fotos deixaram Marataizes ainda mais linda!

  5. Ludmila Nascimento disse:

    Tiago, parabéns principalmente pelas fotos. Você podia trabalhar comigo. kkk

  6. Nathália Fregonassi disse:

    Tiagão, adorei o relato. Você só esqueceu de contar que fcou quebrado depois dessa longa caminhada.
    uahauhauahauahauahauahauhauaauah
    Ah, e a seleção de fotos ficou 10 (sabia que você ia escolher aquela da igreja com o barquinho, minh favorita).
    =)
    Beijos

  7. Carla Moulin disse:

    Tiago, a ideia desse passeio é o máximo, mas 18 km é um pouco mais do que consigo aguentar… rs! E Renatinha apareceu na hora certa, né?!

    Já que Alê animou, quem sabe dia desses a gente arruma um pic-nic por aquelas bandas? É algo a se pensar!

  8. Eduardo Altoé disse:

    Parabéns pelo post Tiago…
    Descrição detalhada e, como não poderia deixar de ser, emocionada de um paraíso capixaba.

  9. Ronald Mignone disse:

    Parabéns pelo post, Tiago!
    Isso só me enche de orgulho, por ser um maratimba de corpo e de alma!
    Amplexos,
    Ronald Mignone

  10. Dudu Parajara disse:

    Sensacional! Muito surpreendentes as fotos. Apesar das dores no dia seguinte, deve ter valido muito à pena, não é?! Quem diria que Marataízes teria paisagens tão bacanas… Show!

  11. Silvia Mancini disse:

    Tiago, amei seu post sobre Marata!
    Suas fotos estão fantásticas…entendo perfeitamente porque você prefere fotografar paisagens e não pessoas!! =)
    Você já deveria ter cadastrado meu e-mail aqui há mais tempo!!

  12. Ricardo Mignone disse:

    Frequento as falésias desde os anos 70, quando ia lá com meu pai. Conheço Pipa e o litoral de Arraial de Ajuda á Caraíva, na Bahia e confirmo: nossas falésias são tão lindas quanto!!! Mas, temo pelo futuro delas após a instalação de indústrias e portos na região. Já passou da hora de transformá-las em patrimônio natural tombado, para evitar a destruição desse nosso maravilhoso cartão postal. Parao agora porque vou à praia nas falésias!!! Parabéns pelo texto e pelas fotos!

    • tiagodosreis disse:

      Pô, Ricardo, assim você mata nóis! rs
      Boa praia pra você e vê se aproveita bastante o visual das falésias. Isso aí é pra poucos!
      Ah… me parece que, recentemente, a Prefeitura de Marataízes criou uma unidade de conservação nessa área e considerou as falésias “monumento natural” da cidade. Tomara que isso represente mais proteção e preservação para o lugar!

  13. Thiago Lorencini disse:

    deve ter sido muito bacana, eu quase fui, faltou um pouco mais de coragem kkkkkkkkkkkkk

  14. Tamy disse:

    UAUUUUU… um máximoooo… amei o texto… assim como a renata, eu me perguntei infinitas vezes como eu posso ter passado quase todos os verões da minha vida em marataiees sem conhecer, ou melhor, aproveitar a praia das tais falesias…

    um beijo…

  15. Christiani Voss disse:

    Ai ai ai, fiz um comentário gigante, emocionado, inspirado… como não coloquei o email, APAGOU TUDO. Tiagão, outra hora escrevo outro…
    Mas parabéns para o “MINEIRO MAIS CAPIXABA QUE EXISTE” rsrsrs.
    Bjs

  16. jessica mavila disse:

    sou da familia marvila um dos maaiors produtores d abacaxi e acho isso muito maneiro , adriter visto as fotos dev tr sido muito bom para todos vcs awee

  17. joão euripedes franklin leal disse:

    As Barreiras Vermelhas do Siri (ou ciri como se escrevia) encantou os viajantes e marinheiros desde o início da colonização e era uma referência nos mapas desde o século XVI. O grande cientista suiço Auguste Saint Hilaire fez fantásticas observações sobre a região, onde esteve em 1818, em seu livro, assim como outros viajantes dos séculos XVIII e XIX. Que as barreiras vermelhas do Siri durem por mais centenas de anos e que os governantes tenham a decência de as proteger, juntamente com a população que a usa e a admira.

  18. Parabéns, Tiago. Belo trabalho que só enriqueceu este nosso evento.
    A propósito, as Falésias, por lei, já está protegida pelo Decreto Municipal 193, de Dezembro/2008, onde Prefeitura, Ong e Iema ajudaram a criar o Monumento Natural Municipal Falésias de Marataízes, uma Unidade de Conservação de 42 hectares. Mas de fato ainda falta muita coisa. Neste momento, estamos formando o Conselho Gestor da Unidade, e para perceber a importância deste Monumento, a Ferrous precisou pedir anuência à Prefeitura para instalação do Porto. Contamos com ajuda de todos para preservar àquelas paisagens e assim trazer desenvolvimento sustentável e gerar renda e desenvolvimento. Até 21 de janeiro de 2012!
    Abracos,

    João Luiz Madureira Jr.
    Presidente Ong Caminhadas e Trilhas – Preserve
    http://www.caminhadasetrilhas.com.br

  19. Luciano Gonçalves disse:

    Alem de tudo que de belo exoste nesta rota belissima existem tambem os moradores tal qual Geraldo que é pescador e que pode te levar de barco a remo para pescar na ilha das Andorinhas.E o camarao pitu no bafo do bar do Micinho? Viva Marataizes o melhor lugar do mundp!

  20. chuluca disse:

    Realmente o povo de MARATAÍZES tem que sofrer, pois a cidade de vcs esta caindo aos pedaços e vcs estão ligando para fotos. Mais nós aqui do R.J. e o pessoal de B.H. já sabemos que o único ponto turístico é a prefeitura por que o resto só leva tinta no verão!!! Por que não fotografa a beira da praia das arraias até o museu do iate club de MARATAÍZES? Ou o posto de saúde que vcs tem no lugar de um hospital pois até onde eu sei eté o hospital a emancipação tomou de vcs. Falem também do porto de embarcações que não existe, pois até onde eu sei a sustentabilidade dessa cidade é a pesca do peruá que já entrou com a lagosta em extinção, das ruas que continua no barro desde o surgimento dos continentes, do crescimento desordenado da falta de policiamento e de um batalhão e etc… Para terminar e confirmar o que falo, olhe a data da última msgn acima (13 de fevereiro) vcs estão mais par a cidade de ZUMBI. OI, ALGUÉM AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII !!!

    • tiagodosreis disse:

      Chuluca (ou seja lá qual for o seu nome),
      “Até onde eu sei” o seu RJ e a minha BH também tem problemas (e muito!) e nem por isso deixam de ser lindas e visitadas por turistas.
      Isso aqui é um blog de turismo e nosso objetivo é divulgar o que o Espírito Santo tem de bom para nos mostrar. Só isso!
      Se não for para agregar nada nesse sentido e desrespeitar o povo de Marataízes (que, em sua grande maioria, é vítima e sofre com todos os problemas que você apontou), melhor concentrar suas forças para melhorar os problemas da sua cidade, que também precisa de ajuda. Afinal, cada um sabe exatamente onde aperta o seu próprio cinto, não é mesmo?
      Abs,
      Tiago
      P.S.: o último comentário pode ser “antigo”, como você falou, até mesmo porque o post foi publicado em fevereiro. Mas, se você percorrer os outros posts aqui do blog, vai perceber que nenhum outro possui mais comentários que esse de Marataízes. Como se vê, há muito mais gente interessada em explorar as belezas de Marataízes que apontar os seus problemas.

  21. sérgio luiz disse:

    Legal Tiago.
    Sou Mineiro e frequento a paria de Marataizes desde os anos 70.
    Não conheço as falésias e após ver suas fotos estou super interessado em conhecer.
    Me informe por gentileza quando sera a caminhada no mes de abril/2012.
    Estarei passando alguns dias por aí e tenho interesse em participar desta caminhada.
    Agradeço desde já e um ano prospero com muita saúde e paz.
    Um forte abraço.
    Sérgio Luiz

  22. Amanda Missel disse:

    Olá Thiago!! Parabéns pelo post!! Não sabia que Marataíses era tão bonita assim. Vou ficar devendo uma visita agora!!! abs

  23. Magnum disse:

    Amigão, há quatro anos que quero conhecer essas falésias, e agora vou dar andamento ao projeto. Queria sua dica: estarei voltando do Pico da Bandeira e como moro em Linhares vou aproveitar a viagem de retorno pra casa pra passar em Marataízes.
    Então, quando eu chegar, vindo pela ES 490 de Cachoeiro, ao chegar na cidade devo descer sentido Presidente Kennedy?
    Outra coisa: devo chegar na cidade a tarde, é recomendável uma pernoite ali para, pela manhã, conhecer o local?
    Muito obrigado.

Deixe uma resposta

Comente via Facebook

comentários

Powered by Facebook Comments

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital