placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
09
nov
2011

A logística da viagem ao Salar de Uyuni

Esse post pertence à série “Outras Rotas” do “Rotas”. Nela, os nossos blogueiros fazem relatos de suas viagens fora do Espírito Santo. Se quiser conhecer mais sobre esses relatos, basta clicar na aba “Outras Rotas” ali no topo do site para ter acesso a todos os posts separados por destino.

Conhecer o Salar de Uyuni, na Bolívia, se tornou quase uma obsessão para mim e para a Renata desde o momento em que nós o conhecemos e soubemos que é possível visitá-lo a partir do Deserto do Atacama. Nós ficamos alucinados com as fotos e os relatos de viagens ao Salar e não pensamos duas vezes em inclui-lo em nosso roteiro. Já disse em algum outro lugar desse blog que o nosso maior interesse em viagens é conhecer paisagens naturais. E se essas paisagens forem exóticas, aí é que a nossa mão coça!!

Mas conhecer o Salar de Uyuni não é uma tarefa fácil. Ou você encara um estilo de viagem mochilão heavy brow e se dispõe a rever todos os seus conceitos de higiene pessoal e segurança em três ou quatro dias de viagem em tours coletivos, ou então investe bem mais dinheiro num tour privado minimamente confortável, mas igualmente arriscado em termos de segurança. No primeiro caso, você não gastará mais do que U$170 para fazer o passeio, que inclui alimentação e hospedagem em refúgios coletivos precários. No segundo, a conta aumenta bastante: em média, U$1.100 por pessoa num tour para 2 pessoas, com alimentação e hospedagem nos simpáticos e confortáveis hotéis da Rede Tayka.

Desde o início, nós rejeitávamos a primeira opção. Nós não temos – nem nunca tivemos – inclinação para encarnar o tipo mochileiro e, no caso específico do Salar, ficamos bastante preocupados com o grande número de relatos de perrengues vividos nesses tais tours coletivos por conta da precariedade dos refúgios e irresponsabilidades dos motoristas. E por isso, mesmo sabendo que o passeio ao Salar nos custaria mais caro que toda a viagem ao Atacama, tomamos a decisão de juntar o dinheiro necessário para fazer o tour privado.

Pesquisei como nunca na internet para decidir por qual agência fazer o passeio. Além do custo, preocupava-nos bastante a questão da segurança. Por isso, nós precisávamos confiar na agência. No final das contas, pedi ajuda até ao guru Ricardo Freire (do Viaje na Viagem) que, sempre solícito, subiu um post específco replicando a ajuda ao pessoal da comunidade (veja aqui).

O post do Ricardo Freire era o que precisava para tomar a minha decisão. Acabei escolhendo a agência que ele mesmo me indicou, a Ruta Verde. Ela é comandada por um holandês radicado na Bolívia, o Gijs, que não fala português (toda a comunicação se dá em espanhol ou inglês). Li boas referências da Ruta na internet e a única crítica que vi no Trip Advisor dizia respeito a falhas na negociação, e não quanto ao tour em si.

Optei pelo tour de 4 dias, saindo e retornando a San Pedro do Atacama. Um dos diferenciais da Ruta é incluir no preço o transporte entre San Pedro do Atacama e Hito Cajones, fronteira da Bolívia, na ida e na volta do tour. Eles te buscam no hotel e te deixam em San Pedro, no local que você combinar. O preço?  US$2.252,00 para duas pessoas, incluindo transporte em carro 4 X 4, motorista, 3 refeições por dia, entradas para os parques, hospedagens nos hotéis da Rede Tayka, água, balão de oxigênio e um telefone celular via satélite. Como eu já disse, não é barato. Só esses 4 dias de tour ficaram mais caros que os seis dias em que fiquei no Atacama. Mas nós investimos nos itens conforto e segurança. De outra forma, não iríamos a Uyuni.

O pior lado da negociação com a Ruta foi o pagamento. A agência exige todo o dinheiro adiantado e, para piorar, ela acresce uma taxa de 5,5% nas operações com cartão de crédito. Eu descartei de cara essa opção por causa do custo. Eles até se dispuseram a baixar a taxa para 2%, mas o recente aumento no IOF para gastos com cartão de crédito no exterior tornava essa alternativa a menos vantajosa em termos financeiros. Por isso, eu tive que correr atrás da forma mais “barata” de se fazer a transferência do dinheiro. E a melhor alternativa que eu consegui, após dois dias de pesquisas em bancos e agentes credenciados da Western Union, foi através do meu próprio banco, o Itaú.

Bom, tudo teria sido perfeito no nosso tour a Uyuni se não fosse por um único detalhe: o nosso motorista. O nosso motorista, o Elizardo, um simpático boliviano, nos pregou uma peça tão grande no terceiro dia de passeio que jogou todo o nosso encantamento por água abaixo. Quer dizer, hoje, passado o trauma, eu ainda consigo resgatar boa parte do encantamento que tivemos no tour ao ver as fotos dos lugares que visitamos. Foi cada lugar sem noção, um mais lindo que o outro.

Mas, não! Eu não vou te contar todo o desenrolar dessa história trágica agora. Eu não quero que você, como nós, fique traumatizado com o que nos aconteceu em Uyuni e que isso te impeça de ver a beleza daquilo lá. Primeiro, eu quero te mostrar um pouco das paisagens surreais que nós vimos na Bolívia para só, então, contar o nosso perrengue. Talvez, assim, eu consiga te impactar de tal forma a lhe convencer de que, apesar de todos os pesares, a Bolívia merece a sua visita!

Leia todos os posts da série “Outras Rotas” clicando aqui.

Comente via Facebook

comentários

29 respostas para “A logística da viagem ao Salar de Uyuni”

  1. Natalie disse:

    Menino do céu, cada foto maravilhosa!

    Ahh, fiquei muito curiosa para ler mais sobre sua aventura na Bolívia.

    Nós também tivemos o mesmo problema com a agência local no Peru que tivemos que contratar. Eles pediram pagamento integral e antecipado em dólar e somente por transferência bancária. Negociamos muito, até conseguir depositar apenas 50% do valor total, mas mesmo assim arcamos com as taxas do banco. Seria tão mais fácil se eles aceitassem PayPal ou cartão de crédito =/

    • Nossa, Natalie! Que honra ter você por aqui! 😀
      Eu fiquei com bastante receio de depositar o valor todo. Mas, como eles relutaram, não tive alternativa. Tive que confiar na reputação da agência.
      O ruim mesmo foi perder tempo indo de banco em banco para avaliar a melhor alternativa para pagar menos taxa nessa transação. E, no final, descobrir que o meu banco era o mais barato de todos! rsrs
      Pay pal certamente resolvia esse problema!
      Ó… tô esperando as dicas de Machu Pichu de vocês. Acho que eu comentei isso com vc, mas eu quase programei uma viagem para lá em dezembro com o $ que a agência da Bolívia me devolveu. Mas achei que seria pouco tempo para isso. Vai ficar para o ano que vem!
      Vê se volta sempre, viu? E manda um abraço para o meu amigo capixaba!
      Abs

      • Natalie disse:

        Pois é, Tiago… eu entendo a sua situação.

        Depois eu conto com mais calma essa novela da agência peruana, o pior era a falta de referências, nem registro na secretaria do turismo ela tinha. Fiquei morrendo de medo da moça sumir com nosso suado dinheirinho. Mas no final deu tudo certo, ainda bem! 🙂

        E que bom que a sua viagem também deu super certo! Tô curtindo muito seus relatos e a ideia do “outras rotas” foi muito simpática.

        O Fred também mandou um abraço pra você.

        Prometo voltar mais vezes 🙂

  2. Liliana disse:

    Olha, confesso que o preço me desanimou mais que qualquer problema ,hehehe.
    Preço alto com problema ainda, ixii… Mas o Salar Uyuni é um sonho antigo que um dia realizarei! Só não sei se terei essa grana toda. Com esse dinheiro dá para fazer uma viagem completa para Asia, com passagem e tudo mais! E também sou muito relutante a pacotes e tours, só fiz uma viagem do tipo até hoje mas porque não tinha tempo para fazer tudo que queria por conta , por causa do idioma do país(árabe) e por ser um país muçulmano. A combinaçao de fatores me fez ter um medinho. Estou ansiosa para ver seu balanço geral e mais fotos. Acho que já vim aqui umas 500x só para rever as fotos dessa viagem. Me fez sonhar ainda mais com uma viagem igual!
    bjs

    • Então, Liliana. Na verdade, esse preço aí é só para os tours privados. Se vc encarar, a “aventura” dos tours coletivos, vai pagar baratinho, baratinho.
      E, mesmo nos tours privados, se vc conseguir juntar mais pessoas (até quatro), o preço cai à metade por pessoa.
      Mas olha só. Eu também não viajo empacotado. Fiz toda a minha viagem de forma avulsa. Mas, para ir ao Salar de Uyuni, vc não tem como fugir. Vc precisa contratar um passeio com agência local, pois é muito arriscado ir sozinho. Não há estradas e nem sinalização no caminho. Vc transita em meio a desertos, descampados e, claro, no sal. Eu não imagino um turista indo em carro próprio!
      Eu insisto: a Bolívia é um lugar surreal! Vale a pena conhecer!
      Valeu pela visita.

  3. Liliana disse:

    Pelo que li a respeito eh realmente impossivel ir por conta propria. Tem lugares que infelizmente nao tem como fugir de tour! Mas pelo que li no link do VnV que vc colocou aqui, essas excursoes coletivas nao me pareceram tao assustadoras! Mas logico que escolher o tipo de tour eh muito pessoal e acho que o sucesso de uma viagem pode depender do quanto se respeita e aceita o estilo de viajante que vc eh! Pensa so se o perrengue de vcs acontecesse no outro tour mais barato? Com certeza ia ter aquela voz da culpa falando: isso soh aconteceu pq vcs nao escolheram o que realmente queriam. Bjs!

  4. […] à escolha da agência provedora do passeio de Uyuni, eu dei todas as informações aqui.E com esse post, eu encerro a série especial sobre o Atacama e Uyuni no “Outras Rotas”. Já […]

  5. Elisabete disse:

    Pretendo visitar o Deserto de Atacama este ano talvez em julho e só peço a Deus para me guiar e nada de ruim me acontecer.
    Elisabete

    • Não se preocupe, Elisabete. Se o seu destino é só o Atacama, vc não corre quase nenhum risco.
      Lá tem uma super-estrutura e é bem mais profissional que em Uyuni.
      Mas, é claro, que pedir a ajuda de Deus nunca é demais!

  6. Roberta disse:

    Pena que vcs gastaram esse dinheiro todo….Eu e meu namorado gastamos juntos o equivalente a 150 dólares cada um para a mesma viagem. Fizemos amizade com pessoas de vários países e …. não ficamos perdidos. Nosso guia além de ser uma simpatia, nos punha a par de todos os detalhes sobre cada lugar e parava o jip toda hora para batermos fotos. Nem sempre o mais caro vale mais mas sem dúvida, vai do turista.
    Aconselho a qualquer um, exceto com crianças pequenas, a irem até a cidade de uyuni, procurarem uma das dezenas de agências que disponibilizam pacotes, pechincharem o preço (porque na bolivia nada tem preço; ele é de acordo com sua cara, mas tudo é questão de conversar!) e ir de mochila nas costas, não é nada apavorante. Além de muuuuito mais barato, você vai interagir muito mais com a natureza e com outras pessoas, dormirá em um hotel de sal (o máximo), ter o gostinho de ver o pôr-do-sol mais lindo da porta do hostel no meio do nada…. Recomendo.
    Beijos

    • Artur Butierrez Aranha disse:

      olá roberta, estou pretendendo ir agora em novembro para o Salar, a principio irei só eu e minha esposa, se puder me passar algumas dicas de lugares e agências eu agradeço. pretendo começar em La Paz, incluindo Titicaca e depois descer até o Salar, se possivel esticar até o atacama e santiago.

    • Ana Paula disse:

      Olá, Roberta.
      Estou indo em setembro para Atacama e Salar de Uyuni. Qual agência fizeram o Salar?

  7. Thiago Silva disse:

    Olá Roberta, td bem ??

    Estou pensando em ir conhecer o Salar agora em julho, o que achou das condições oferecidas por lá ??

    Grato

    • Roberta disse:

      Thiago, puxa desculpe a demora, vi que vc perguntou sobre o uyuni só agora. Então, que eu saiba a melhor época para tentar vê-lo molhado, o “espelho” é no final do ano, época que chove mais. E Graziela, do Uyuni você pode ir sim para La Paz. Hoje em dia tem avião mas é caro. Eu peguei ônibus, são 13 horas. Sim, muito tempo mas fiz mochilão e a ideia era gastar só o necessário e comer bem, então o ônibus me serviu. Ah, um detalhe muito importante: quando a viagem for assim longa, pegue ônibus de turismo, tem mais conforto, cobertor e banheiro, custa o equivalente a R$ 30,00. O ônibus comum,é um terror, as pessoas vão sentadas no passeio, e fazem xixi no chão já que não tem banheiro. Se alguém quiser fazer mochilão e quiser umas dicas podem me escrever direto no email, robertakdias@gmail.com.Se eu puder ajudar será um prazer. Abraços.

  8. Graziela Silva disse:

    Thiago, minha intenção é sair de San Pedro e ficar em Yuni e dali sair para os passeios diariamente. É que de Yuni sigo viagem para La Paz. Qual a dica?

  9. Artur Butierrez Aranha disse:

    Olá pessoal

    Estou programando uma viagem para bolivia passando por La Paz, Titicaca e Salar e pretendo esticar até o Atacama e Santiago, mas vou ter só 10 dias para fazer tudo isso, gostaria de informações e dicas se consigo fazer tudo neste período. quero ir de 7 a 17 de novembro.

    abraços

  10. Artur Butierrez Aranha disse:

    Olá!
    Vou mesmo ao Salar no período de 03 a 15 de novembro, quero ver se da tempo para ir ao Atacama também, apesar de ser pouco tempo. Estou precisando de dicas de hotel em La Paz, Santa Cruz de la Sierra, Sucre e Atacama, bem como agencias que fazem os passeios para Uyuni de 3 dias e Atacama. Quem estiver pretendendo ir na mesma época vamos entrar em contatio para trocar ideias sobre a viagem, vou eu e a minha esposa.

  11. Artur Butierrez Aranha disse:

    Olá pessoal!
    Mudanca de planos novamente (rs), não vou poder ir agora em novembro para o Salar, estou pensando em ir em inucio de janeiro, mas estou preocupado se as chuvas podem atrapalhar o passeio, aporveitaria para conhecer La Paz e o Atacama. Nesta época é possivel ver neve no chacaltaya? Vale a pena ir para o Salar e Atacama em janeiro?
    Abraço a todos!

    • Oi, Arthur. Sobre a neve no Chacaltaya, eu não sei te responder. Mas, sobre a época, é uma incógnita. Uma amiga minha, a Camila Navarro (do blog viaggiando: http://www.viaggiando.com.br/2012/10/chile-indice-de-posts.html), foi nessa época e pegou chuva no deserto!!! Mas isso é uma coisa muito rara, então não dá para dizer que você corre esse risco. Pelo menos no salar, você pode pegá-lo molhado, o que dá um dos efeitos mais famosos na foto, em que o salar reflete o céu.
      Enfim, acho que, nessa região, qualquer época do ano é boa.

  12. Artur Butierrez Aranha disse:

    Olá Tiago!

    Blz, obrigado pelas dicas, provavelmente irei em janeiro mesmo (01 a 10 de janeiro), apesar de ser épocas das chuvas, irei eu e a minha esposa, tomara que não chova muito e dê para conhecer todo o salar. Eu ia em novembro, mas tive que mudar as datas. Quem ja foi para lá nesta época (Salar e Atacama) se puder postar aqui para trocarmos idéias.
    Grande abraço!

  13. Artur Butierrez Aranha disse:

    Olá!
    Quem veio recentemente de Uyuni? gostaria de sabewr como esão os valores dos tour de 3 dias saido de uyuni 2 e como estão as estradas de La PAz para Uyuni. Penso em ir de avião de La Paz a Sucre e de onibus ou trem de Sucre a Uyuni.
    abraço a todos!

  14. Artur Butierrez Aranha disse:

    Pretendo ir ao Salar e quem sabe seguir até Machu Picchu. Estava pensando em ir em novembro, mas mudei de planos pois fui agora em novembro para Argentina e Uruguai. Pretendo ir agora para o Salar em abril ou maio de 2014.
    Abraço a todos!
    Artur Butierrez Aranha

  15. Philippe Akkari disse:

    Pô Tiago, ótimo relato!
    Estou com viagem agendada para a Atacama e para o Salar agora em Março.
    Confesso que fiquei curioso para saber a “peça” que o motorista de vocês pregou!
    Realmente as fotos e os relatos que encontro na internet me deixam mais entusiasmado para conhecer esses destinos…
    Porém, é sempre bom já ir preparada para as “peças” que podemos encontrar.
    Obrigado!

  16. Hildelene disse:

    Ola! Preciso de ajuda!

    Eu e meu marido gostaríamos de visitar Deserto de Atacama, Uyuni (Salar) e Machu Picchu numa mesma viagem. Quantos dias precisaríamos? Qual melhor época: agosto ou setembro?
    Alguém tem um roteiro, dicas, sugestões, valores?

    Obrigada!

  17. Melissa disse:

    oi. quero saber o que q aconteceu la! nao vi link pra outro post contando!!! é importante! pretendo ir! beijos

Deixe uma resposta

Comente via Facebook

comentários

Powered by Facebook Comments

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital