placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
10
jun
2012

Hotel Review: Ripa Hotel (Roma)

Esse post pertence à série “Outras Rotas” do “Rotas”. Nela, os nossos blogueiros fazem relatos de suas viagens fora do Espírito Santo. Se quiser conhecer mais sobre esses relatos, basta clicar na aba “Outras Rotas” ali no topo do site para ter acesso a todos os posts separados por destino.

Confesso que a hospedagem na Europa me preocupava muito. O velho senso comum, alimentado, em sua maioria, por aqueles que estão acostumados a viajar empacotado, sempre me dizia que, na Europa, os hotéis de padrão turístico eram sofríveis. O que eu mais ouvia era comentários do tipo: “as instalações são velhas, mas é pertinho da Torre Eiffel”; “o banheiro é horrível, mas é pertinho da Piazza Navona”; ou “a limpeza é duvidosa, mas é pertinho do Duomo”. E para nós, “ser pertinho de” não era um requisito absolutamente indispensável e que compensasse toda a falta de conforto e conveniência que a gente procurava num hotel. Não numa viagem que nasceu lua-de-mel, como eu já disse aqui.

Por isso, eu saí numa busca incessante para encontrar hotéis que não fosse do tipo “é só pra dormir mesmo!”. Quem é que sai em lua-de-mel só pra dormir, hein? Pois então. Nosso hotel precisava ter um mínimo de conforto para tornar a viagem verdadeiramente inesquecível em todos os quesitos. E em Roma, o que mais se encaixou nesse padrão foi o Ripa Hotel.

Tá certo que a nossa pesquisa por hotéis em Roma foi bastante facilitada pela dica do Ricardo Freire de se hospedar no Trastevere, “melhor lugar da cidade pra brincar de estar na Itália”, como ele mesmo diz aqui. Eu sabia que abrindo mão do quesito “pertinho de” eu teria mais chance de ganhar em conforto e também no preço. Essa é uma regra que funciona em qualquer lugar do mundo. Quanto mais longe do circuito turístico oficial, maiores os esforços que os donos de hotéis fazem para atrair os turistas. E esses esforços costumam se traduzir em melhor custo X benefício para os hóspedes.

Reserve seu hotel em Roma no Booking.com

Por isso eu não tive dúvidas em limitar o espaço territorial da minha pesquisa de hotéis em Roma ao Trastevere. E não me arrependi dessa escolha. Apesar da distância até o centro, o transporte público até lá é incrivelmente fácil. Há uma linha de bonde (cujo bilhete custa 1 euro e está incluído no Roma Pass) que corta todo o bairro e te deixa na “boca” do centro em menos de 15 minutos. Do ponto final do bonde (tram), na Praça Argentina, até o Pantheon, por exemplo, são 10 minutos caminhando.

Mas o melhor mesmo de se hospedar no Trastevere é experimentar a Roma dos romanos sem pagar o preço dos turistas. O bairro tem ótimas opções de bares e restaurantes com uma relação custo X benefício bem superior à do centro. Você come mais e melhor pagando um preço bem mais justo. E sem aquela horda de turistas e ambulantes ao seu redor!

Tá, mas e o hotel?

Bom, o Ripa Hotel agradou bastante. Nada de instalações velhas, de banheiro horrível ou de limpeza duvidosa. A infra-estrutura do hotel era bem estilosa:

O Ripa é um hotel 4 estrelas muito bem avaliado no TripAdvisor e no Hotéis.com. Isso contou bastante na hora da escolha. Mas o fator decisivo da escolha foi o fato de o Ripa ser um hotel “design”. Você não imagina o poder que essa palavra exerce sobre a mente da Renata!

O valor da diária no Ripa parte de EU$110,00 na suíte standard, que é bem espaçosa:

O café da manhã é farto e variado.

Mas é europeu, gente! Dois dias depois de comer croissant com nutella você sente uma falta danada dos nossos pães e frutas. Não tem jeito.

Além disso, o hotel tem um café aberto ao público, o Riparte, que também atende os hóspedes no horário do jantar. É uma mão na roda para os dias em que a preguiça falar mais alto. 😉

Agora, nem tudo são flores no Ripa. Duas coisas em especial não me agradaram: o acesso à internet é pago (custa 10 euros por dia) e o atendimento é bem frio, quase antipático.

A Carmem, do De uns tempos pra cá, hospedou-se no Ripa dois meses antes da nossa viagem e foi além na crítica. Para ela, o quarto era pouco funcional e a localização duvidosa (“um cantinho escuro do Trastevere”, como me disse a Carmem via Twitter). Nós, particularmente, não tivemos problema com essas coisas. Talvez, a funcionalidade do quarto varie de acordo com a sua categoria. O nosso, que era a suíte mais simples, tinha um armário bem satisfatório e até uma escrivaninha de apoio. E, de maneira geral, eu achei que o Trastevere é todo meio escuro e mal iluminado.

De qualquer forma, vale o registro das impressões e críticas da Carmem, que teve duas experiências de hospedagem em Roma na mesma viagem.

No final das contas, acho que o Ripa atendeu bem as nossas expectativas em termos de hospedagem. Ele não é “pertinho” de nada, mas não deixa a desejar em matéria de conforto e conveniência.

Leia todos os posts da série “Outras Rotas” clicando aqui.

Reserve seu hotel em Roma no Booking.com

Comente via Facebook

comentários

11 respostas para “Hotel Review: Ripa Hotel (Roma)”

  1. Carmem disse:

    Pois é, nossa experiência no Ripa não foi tão satisfatória como a de vocês.
    Reservamos por uma promoção do Travelzoo e pagamos 87 euros a diária.
    A reserva era para um “essencial double”, mas a promoção dava um up grade para um “executive double”. Nosso quarto era espaçoso, mas pouco funcional. Não havia armário, nem escrivaninha. A TV ficava sobre um estreito sofá, que era também o único lugar para as malas. Enfim… diferenças de tipo de acomodação. Nem sempre um up grade é realmente UP, né?

  2. Liliana disse:

    Roma é o único clichezão europeu que ainda não conheço. Chega a ser ridículo eu já ter ido a outros lugares bem menos visitados da Itália e nunca ter colocado meus pés lá. Mas sabe o que me impediu as 2 vezes que eu cogitei ir a Roma? Preço de hospedagem! É caríssimo! O preço padrão que pago neste continente é 60 euros, no máximo 70 a diária em hoteis bem simples mas limpos e com banheiro no quarto(sempre!). Esse era o preço de quartoem albergue sem banheiro privado em Roma quando vi a última vez!Má nunca que eu pago isso. E o pior é que todo mundo ainda diz que muitas vezes você paga além dessa média e fica numa espelunca. Desanima qualquer um.

    • Sério, Liliana?
      De maneira geral, achei os preços das hospedagens por aí, pelo menos nas cidades em que fui, bem salgados. A única exceção foi Florença, que foi a mais “em conta”.

      • Liliana disse:

        Acho a hospedagem no Brasil pelo menos umas 4 vezes mais cara do que na Europa em geral. A gente tem mais opção por aqui!Como disse, provavelmente eu fico em hoteis mais simples e baratos que vcs, mas mesmo assim por aqui os preços são melhores. Itália, França e Escandinávia tem preços maiores que outros paises no geral, talvez por isso você tenha tido essa impressão.

  3. Eduardo disse:

    Boa Noite Tiago,
    Eu e minha esposa iremos para Roma em abril e optamos pelo Ripa (após extensa pesquisa). Seu site nos ajudou bastante na decisão. Gostaria de saber de que forma foi feito o transporte até o hotel.
    Obrigado.
    Eduardo

    • Que bom saber disso, Eduardo! Tenho certeza que vocês não terão surpresas com as instalações do Ripa. Ele é um excelente hotel. Vocês só vão ter que se acostumar ao Bonde Argentina, que vai te levar todos os dias ao Centro Histórico da cidade. Ele será o seu melhor amigo em Roma! :-)
      Olha só, nós fomos de transporte público até o hotel. É bem tranquilo. Basta pegar o trem FM1 na estação que fica anexa ao Aeroporto Fiumicino e parar na Estação Trastevere. Daí, vocês vão sair da estação e caminhar pela calçada na direção esquerda, até chegar à esquina de uma avenida bem movimentada. Repare nos trilhos que cortam o asfalto. É por ele que passa o bonde. A estação fica bem próxima dessa esquina. Aí é só esperar pelo Tram (bonde) 8, o famoso Argentina, e descer na Estação Bernardino da Feltre. Siga em frente, na mesma direção do bonde, e vire na primeira rua à direita, que dá numa praça. Você estará praticamente na porta do Hotel. É só descer nessa mesma rua mais 50 metros.
      Aproveitem a viagem e, se puder, volta aqui para contar o que achou do Ripa.
      Abs

  4. […] Paris, o meu receio na escolha do hotel era exatamente o mesmo de Roma: pagar caro por um hotel bem localizado, do ponto de vista turístico, e muito marromeno, do ponto […]

  5. Eduardo disse:

    Valeu Tiago pela ajuda, com certeza voltarei para descrever as impressões sobre o Ripa e o Florence Room, que também reservamos a partir da sua indicação. Aproveito para para parabenizar pelo site, pela divulgação do nosso estado que tem muito potencial e é pouco divulgado. Abs

  6. Eduardo disse:

    Tiago acabamos de chegar da viagem e como combinado seguem as nossas impressões sobre os hotéis Ripa e Florence Room.
    Ao chegar no aeroporto de Roma compramos o Roma Pass e conforme suas dicas seguimos de trem para estação Trastevere, onde pegamos o Bonde Argentina até o hotel, foi tudo tranquilo.
    Ao chegar no hotel fomos recepcionados por uma simpática e atenciosa funcionária (cujo nome não lembro), que nos deu o mapa e ótimas dicas. Não tivemos nenhum problema com o atendimento dos funcionários.
    O café da manhã é farto e muito bom. Gostamos muito da localização do hotel, por ser um bairro mais residencial e não tão turístico (ainda…), e da estrutura em si, quarto amplo. Ressalto somente que o banho ocorre dentro da banheira, o que pode ser um empecilho para pessoas com limitações.

    Quanto ao Florence Room gostamos muito da localização, pois é bem próximo a Estação de trem e também dos pontos que iríamos visitar, fizemos tudo a pé. Ficamos apenas uma diária e atendeu muito bem a nossas expectativas, o café da manhã atende bem.

    Seguimos também suas dicas quanto aos restaurantes, tanto em Roma quanto em Florença. Gostamos muito dos dois, inclusive fomos 02 vezes no de Florença (fomos atendidos por uma brasileira).

    Muito Obrigado mais uma vez pelas dicas.

Deixe uma resposta

Comente via Facebook

comentários

Powered by Facebook Comments

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital