placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
29
maio
2013

Meu blog, minha vida: campanha pela valorização dos blogs de viagem

abbv

Vou quebrar o silêncio que reina aqui no Rotas para matar dois coelhos com uma cajadada só. O primeiro deles é comemorar, coletivamente, com os demais associados, o primeiro aniversário da Associação Brasileira de Blogs de Viagem, da qual faço parte, e divulgar a campanha que a ABBV lança hoje para valorizar o nosso nicho: “Blogs de Viagem: eu leio”. O segundo é festejar a passagem do terceiro aniversário do Rotas e falar um pouco sobre esse ofício, tão inglório quanto prazeroso, que é o de ser um blogueiro de viagem.

Mas vamos por partes.

A campanha “Blogs de Viagem: eu leio”, como eu disse, tem o objetivo de chamar a atenção do público em geral e também do mercado de turismo para o trabalho que nós, blogueiros de viagem, fazemos. Um trabalho que exige uma boa dose de altruísmo e que, por isso mesmo, merece ser valorizado. Afinal, a maioria dos blogueiros (eu, inclusive!!!) mantem seus blogs com investimentos próprios, pagam suas viagens com seu suado dinheirinho e dedicam boa parte do seu tempo a alimentá-lo e a ajudar os leitores que frequentam a caixa de comentários e as redes sociais.

Nas palavras da nossa Presidenta Silvia Oliveira, do blog Matraqueando:

“Com o lançamento dessa campanha queremos reforçar o sentimento de comunidade que percebemos nos blogs de viagem. Queremos sensibilizar o leitor e convidá-lo a valorizar o trabalho dos blogs que frequentam e com os quais muitas vezes colaboram através de comentários. É vital para um blog de viagem que ele tenha leitores que interajam com o blogueiro.”

Então, tá feito o convite. Você, que frequenta e gosta do Rotas, está convidado a valorizá-lo, comentando, tweetando, facebookeando e compartilhando nas suas redes sociais que você é um leitor de blogs de viagem. Use a hashtag #BlogsDeViagemEuLeio e, se quiser, faça como eu e todos os outros associados da ABBV: troque o seu avatar pelo selo da campanha. É uma boa hora pra você dar as caras e mostrar que tudo isso aqui vale a pena. 😉

Sim, porque o reconhecimento de vocês, leitores, é o que move isso aqui. E digo isso sem medo de ser piegas para já pular à segunda parte do meu post. Eu preciso fazer o registro da passagem do 3º aniversário do Rotas (dia 29/04) para, de novo, agradecer a quem mantem isso aqui vivo.

Lá em cima eu ressaltei que ser blogueiro de viagem é uma tarefa tão inglória quanto prazerosa. E é mesmo. Principalmente para quem tem família (e uma bebezinha, como vocês já sabem), para quem tem amigos e preza por uma vida social/real, para quem está fazendo uma pós-graduação e precisa entregar uma monografia até agosto, para quem tem um emprego de onde tira o verdadeiro ganha-pão da família e para quem nem sempre quer abrir mão daquele momento de ócio, onde o que você mais deseja é não fazer nada. Não é fácil abrir mão disso para sentar na frente do computador e escrever posts. Você sempre vai sacrificar uma parte da sua vida que nem todo mundo estaria disposto a sacrificar.

E a troco de quê eu faço isso há três anos?

Dinheiro? Não. É bom deixar claro, mais uma vez, que o Rotas não rende um único real para o seu dono. Não que eu me orgulhe disso e seja contra as técnicas de monetização dos blogs, como os programas de afiliados e o Google Adsense. Mas eu ainda não tive tempo nem paciência para me dedicar e “investir” nisso.

Viagens grátis? Também não. Engana-se redondamente quem pensa que criar um blog de viagem é o primeiro passo para viajar de graça. Não existe esse glamour todo que pintam, não gente. Se você não quiser abrir mão da sua reputação em troca de um prato de comida em hotel ou restaurante, vai ter que comer muita farinha com fermento para começar a dar as cartas no jogo e firmar parcerias verdadeiramente rentáveis. Do contrário, contente-se em fazer como eu e a maioria dos blogueiros: “investir” o seu próprio dinheiro para criar pautas com viagens. TODAS, ABSOLUTAMENTE TODAS as viagens que eu relatei até hoje aqui no Rotas foram pagas com o dinheiro do meu próprio bolso, sem o apoio de nada, nem de ninguém.

Bom. Mas, afinal, pra que tudo isso?

Eu não teria chegado tão longe se isso aqui não fosse uma paixão. Quando eu sento na frente do computador para escrever um post, eu sacrifico, sim, uma parte da minha vida em prejuízo da família, dos amigos, do trabalho e até mesmo do ócio. Mas faço isso por pura paixão. É isso que faz dessa tarefa inglória algo inexplicavelmente prazeroso.

E como eu já disse em outra oportunidade, enquanto for possível ter prazer com esse trabalho travestido de hobby, eu estarei aqui, pronto, para comemorar muitos outros aniversários juntos.

Parabéns ao Rotas e à ABBV!

_______________________________

Siga o “Rotas” no Twitter e Instagram

Curta o “Rotas” no Facebook

Comente via Facebook

comentários

10 respostas para “Meu blog, minha vida: campanha pela valorização dos blogs de viagem”

  1. Mari Campos disse:

    Adorei! Parabéns pelos três aninhos e vida longa, longa, longa ao Rotas, viu? Quem sabe daqui uns 18 anos Maria entra na equipe de reportagem também? 😉

  2. Liliana disse:

    Parabéns ao Rotas! Amo o blog, e sou dessas que faz campanha e propaganda, não só por ser capixaba mas por achar o trabalho de vocês exclente. Tudo de bom sempre!

  3. Ah, eu sei que vou repetir, porque já te disse isso outras vezes, mas sou fã do Rotas! É fácil perceber um blog que é feito com paixão, cuidado e capricho e o seu é um deles. Parabéns pelo aniversário e por manter esse blog delicioso! 🙂

  4. Marcie disse:

    Sensacional o post!

    Parabéns pelos 3 anos, e que venham muitos mais!

    Beijos procês 3. 😉

  5. Gostei dessa campanha! É realmente isso que a gente sente. Blogamos por paixão!

    Parabéns pelo aniversario! O Rotas é muito bom! Me ajudou muito quando fui pra Itaúnas, e qdo escrevi meu post, linkei vcs!

    Abraços e vida longa!

Deixe uma resposta

Comente via Facebook

comentários

Powered by Facebook Comments

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital