placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
19
jun
2017

Santa Cruz: o passeio de escuna pelo Rio Piraqueaçu

No último post que eu publiquei aqui no Rotas, eu apresentei algumas boas razões para você incluir Aracruz no seu radar turístico ao decidir vir para o Espírito Santo. Como eu disse, a cidade “abriga um dos mais belos e mais preservados conjuntos de praia do litoral capixaba“.

Eu ainda pretendo explorar um pouco mais a cidade para, quem sabe?, organizar uma série especial com todas as informações e dicas que você precisa para visitá-la (tal qual eu fiz com Itaúnas, Pedra Azul e Santa Teresa). Enquanto isso não acontece, vale a pena apresentar, pelo menos, o passeio mais famoso da região: o passeio de escuna pelo rio Piraquê-Açú, na vila de Santa Cruz.

Seja para quem planeja um bate-volta a partir de Vitória (como eu recomendei aqui), seja para quem visita a cidade de Aracruz, o passeio de escuna pelo rio Piraquê-Açú deve estar no seu roteiro. É um passeio bem bonito e ótimo para se fazer em grupo, especialmente quando se tem crianças.

Para quem não sabe, Santa Cruz já foi um porto fluvial importante do Espírito Santo e uma das portas de entrada dos imigrantes italianos. O rio Piraquê-Açú, que deságua ali, nasce em Santa Teresa e, até hoje, é navegável em quase toda a sua extensão.

Nesse passeio, a gente sobe pela foz do Rio Piraquê-açú por cerca de 30 minutos até o ponto onde há uma plataforma flutuante (chamada de “bar flutuante” pela tripulação). O cenário, depois que a vila de Santa Cruz é deixada pra trás, vai se tornando uniforme, tomado pelos mil e um tons de verde da vegetação do manguezal nas margens.

Temos aí o maior manguezal do Espírito Santo e um dos maiores do Brasil. A paisagem é belíssima, com a natureza praticamente intocada.

Na plataforma flutuante, a escuna atraca para que os passageiros possam tomar banho no rio. É a hora da farra.

Meia hora depois, a embarcação segue pelo mesmo percurso até o fim do passeio.

O passeio tem duração de 2 horas. Embarca-se e desembarca-se em 2 pontos: no píer anexo ao Restaurante Mocambo, na vila de Santa Cruz; ou, do outro lado da foz do rio, no início da Praia de Coqueiral, com acesso pela estradinha de terra que fica bem ao lado da entrada do Coqueiral Praia Hotel, na Rodovia ES 010.

Píer do Restaurante Mocambo

A principal vantagem de se embarcar no primeiro ponto é começar e terminar o passeio dentro da vila de Santa Cruz, dispensando o deslocamento de carro que a primeira opção exige (a Praia da Sauna fica na margem oposta do rio, em frente à vila de Santa Cruz).

Por sua vez, a vantagem de se embarcar no segundo ponto é pegar a escuna vazia, garantindo seu lugar no espaço que você achar mais interessante. O “interessante” aqui é totalmente subjetivo. A maioria prefere a frente por causa das fotos a la Titanic. Mas, exatamente por isso, é onde fica mais tumultuado. Eu, ao contrário, preferi ficar na parte de trás da embarcação, que é coberta e tem mais assentos.

Seja qual for a sua opção, eu recomendo fortemente que você encaixe – na ida ou na volta do passeio – um almoço no Restaurante Mocambo. Além da vista privilegiada para a foz do rio Piraquê-açú, o Mocambo serve uma das melhores moquecas capixabas do Estado.

Para completar o dia de passeio pela região, veja as dicas que eu dou nesse post.

Informações úteis:
1) Quem opera o passeio de escuna é a empresa “Princesinha do Mar”, que pode ser contactada pelos telefones 27 999 851 964 ou 27 3250 1941.
2) Em abril de 2017, o preço do passeio por pessoa era R$20,00. Crianças até 5 anos não pagam.
3) Os passeios saem de 2 em 2 horas, começando a partir das 10:00 e terminando às 16:00. No entanto, para confirmar a saída, exige-se no mínimo 10 passageiros. Por isso, é bom ligar antes para sondar a saída.
4) Somente bebidas são vendidas na embarcação. Nada impede, porém, que você leve o seu próprio lanche.
5) O uso de filtro solar e repelente é fortemente recomendado.
6) Como todo passeio de escuna, tem música ambiente durante todo o trajeto. Se a música é boa ou não, vai depender do seu gosto. 😉

_______________________________

Siga o “Rotas” no Twitter e Instagram

Curta o “Rotas” no Facebook

17
jan
2017

Pousada dos Cocais: uma autêntica pousada de praia pé na areia no Espírito Santo

Praia do Sauê

Praia do Sauê, em Aracruz

Nos primórdios desse blog, eu deixei registrado aqui por 2 vezes o meu manifesto contra a ocupação desordenada do litoral capixaba (leia aqui e aqui). Nesses posts, eu protestei – e ainda protesto – contra um certo modelo de desenvolvimento econômico que optou por favorecer a industrialização e urbanização da nossa faixa litorânea, sem se preocupar em reservar áreas de preservação ambiental. Como eu disse aqui, não há nenhum outro Estado da nossa federação que espalhe tantas indústrias em diferentes faixas de um litoral relativamente pequeno. E, infelizmente, os exemplos que eu citei em 2011 só aumentaram de lá pra cá. =(

Só para você ter uma dimensão desse problema, atualmente o Espírito Santo tem 16 unidades de conservação em âmbito estadual. Ao todo, elas protegem 0,8%, repito, 0,8% (!!!!!) do nosso território. E, dessas, apenas 7 estão no litoral: Parque Estadual de Itaúnas, APA de Conceição da Barra, APA de Praia Mole, Parque Estadual Paulo César Vinha, APA de Setiba, Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Concha D’Ostra e APA de Guanandy (fonte: IEMA).

Não é à toa, portanto, que o nosso litoral seja tão “urbano” e bem pouco “rústico”. Guardadas as devidas proporções e ressalvadas as honrosas exceções (alô, Itaúnas! alô, Regência!), o que se vê de norte a sul no litoral capixaba é a reprodução daquele modelo de ocupação urbana que prevaleceu em Guarapari: “cimentização” ampla e irrestrita da orla, com pouquíssima ou nenhuma preocupação com a preservação do meio-ambiente local. O resultado disso foi uma devastação implacável à beira-mar. Guarapari, por exemplo, dono do litoral mais bonito do Estado, conta apenas com 1, eu disse, 1 (!!!!) área de proteção ambiental municipal: o Morro da Pescaria, curiosamente, um lugar bastante improvável para a especulação imobiliária. Nem mesmo regiões mais afastadas da cidade, que já foram redutos de praias tranquilas e de vegetação abundante, como a Enseada Azul e as Três Praias, vem resistindo à ação predatória das construtoras (leia aqui e aqui).

Praia do Sauê

Praia do Sauê, em Aracruz

Esse perfil urbano do litoral capixaba traz um claro prejuízo à consolidação do turismo na região costeira do Estado. Eu me refiro aqui ao turismo de âmbito nacional, claro. Fica realmente difícil convencer um morador de uma grande cidade brasileira a passar férias numa “mini-grande-cidade-de-praia” do Espírito Santo se, aqui, ao invés de fugir dos transtornos urbanos do dia-a-dia, ele vai vivenciá-los em menor escala. Sabe aquela coisa de fugir para uma praia bucólica, selvagem e sossegada? Pois então. Isso é meio raro por aqui. Infelizmente.

(Esse é, aliás, um dos motivos pelos quais eu vejo mais potencial turístico nas montanhas capixabas do que no nosso litoral. Não tem jeito. Pelo menos até agora, as nossas montanhas oferecem um atrativo turístico verdadeiramente genuíno para quem vem de fora: a beleza cênica da natureza ainda exuberante e a força do seu agroturismo)

Mas tem um outro efeito desse perfil urbano da costa capixaba que, para mim, que moro aqui no ES, é ainda mais nefasto: o padrão urbano da hotelaria de praia. Tão difícil quanto achar uma praia bucólica, selvagem e sossegada é achar uma pousada de praia que reproduza exatamente a sensação de estar em um lugar bucólico, selvagem e sossegado. Não é só o nosso litoral que é pouco rústico; a hotelaria de praia capixaba também é. Inexplicavelmente, não há nenhum esforço dos donos de hotéis e pousadas em compensar essa falta de rusticidade da paisagem local com a ambientação dos seus estabelecimentos. A regra, por aqui, é ser insosso, é ser esteticamente sem-graça. E no rastro dessa ótica bem pouco inteligente, a hotelaria de praia capixaba segue num ocaso sem fim. Procura aí no Google uma lista com as melhores pousadas de praia do Brasil pra você ver. Não há uma única, em qualquer site que seja, que esteja à beira-mar no Espírito Santo.

Mas o objetivo desse post, acredite, não foi fazer mais um manifesto sobre a ocupação desordenada do litoral capixaba. Na verdade, eu vim aqui apresentar pra vocês uma pousada de praia que – thanks, God! – sobrevive como uma doce antítese desse padrão que eu apresentei aí em cima. Uma pousada que, justamente por ser uma exceção nesse padrão geral da hotelaria de praia capixaba, se revelou pra mim como a maior surpresa do turismo de praia do Espírito Santo: a Pousada dos Cocais, em Aracruz.

Pousada dos Cocais

Se você não for do Espírito Santo, talvez nunca tenha ouvido falar em Aracruz. Mas é bom prestar mais atenção nela. Apesar de pouco conhecida, Aracruz abriga um dos mais belos e mais preservados conjuntos de praia do litoral capixaba. Há uma razão geopolítica para essa dose extra de preservação da vegetação litorânea. É que, desde meados do século XX, a sede do município foi transferida para o interior do território, afastando-se da costa. Além disso, a ação conjunta dos governos federal e municipal permitiu a criação, na cidade, de 5 áreas de preservação ambiental costeiras (quase o mesmo número de unidades de conservação litorâneas que o governo estadual mantém em todo o Espírito Santo): o Parque Natural Municipal David Victor Farina, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Municipal Piraquê-Açu e Piraquê-Mirim, a APA Costa das Algas, o Refúgio de Vida Silvestre de Santa Cruz e a Estação Biológica Marinha Augusto Ruschi. Isso faz toda a diferença na paisagem local. Entre um distrito e outro da cidade, há quase sempre espaços verdes bem preservados à beira-mar.

Fonte: Google Earth

Fonte: Google Earth

E é justamente num desses espaços verdesque se instalou a Pousada dos Cocais. Ali, num ponto quase desabitado da chamada Praia do Sauê, a Pousada dos Cocais proporciona ao seu hóspede uma experiência que, como eu disse, é rara no litoral capixaba: a de se hospedar numa pousada que reproduza a sensação de estar em uma praia bucólica, selvagem e sossegada. Fala que não é uma surpresa?

Reserve seu hotel em Aracruz pelo Booking.com

Essa sensação de isolamento é facilitada pela ausência de vizinhos próximos da pousada. A frente do terreno começa nas imediações do córrego do Sauê e se estende por uma faixa de terra de 1.700 metros paralela à areia, fazendo com que esse pedaço da praia seja bem pouco frequentado por banhistas que não sejam hóspedes. Eu, por exemplo, me hospedei lá nesse último final de semana (janeiro de 2017) e não vi quase ninguém na praia. Nem parecia que era altíssima temporada do verão capixaba!

Pousada dos Cocais

Por outro lado, o cenário da praia do Sauê é lindo, com destaque para a vegetação de restinga abundante nesse trecho. Abundante também é a população de siris e tatuís que circulam pela praia no início da manhã e final da tarde. Eles, provavelmente, serão suas únicas companhias numa caminhada pela areia para assistir ao pôr-do-sol. E a visão que você vai ter é essa aí:

Praia do Sauê

Tudo bem que, com um cenário tão privilegiado ao redor, nem precisava de muito para a Pousada dos Cocais me conquistar. Mas ela ainda assim me conquistou, especialmente pelo esforço de se destacar do padrão normal da hotelaria de praia capixaba. Veja bem. Não é que ela seja perfeita ou seja uma pousada de praia dos sonhos. Não é. Mas, diante da mesmice que impera nas bandas de cá, eu não poderia deixar de louvar um pousada que, pelo menos, tenta remar contra a maré.

Pousada dos Cocais

A começar pela rusticidade das instalações. Dos materiais usados na construção dos espaços da pousada aos móveis usados na decoração, houve uma preocupação em se integrar à paisagem local.

Pousada dos Cocais

A decoração dos quartos é simples, mas ajustada à proposta de ser um refúgio num lugar de puro sossego. Nas varandas, você pode passar o dia todo deitado numa rede lendo um livro ao som do canto dos pássaros ou das ondas do mar.

Pousada dos Cocais

Interior da Suíte Especial

Se a coisa ficar monótona demais, não tem problema. Você pode aproveitar a piscina ou a praia que está a poucos passos da pousada.

Pousada dos Cocais

Aliás, esse é o maior trunfo da Pousada dos Cocais, na minha humilde opinião: ela é uma autêntica pousada de praia pé na areia. Uma pontezinha de madeira, construída sobre a restinga, é a única coisa que separa você do mar.

Pousada dos Cocais

Você pode acordar e caminhar na praia, tomar café e ir pra praia, almoçar e voltar pra praia, tirar uma soneca da tarde e, porque não?, dar mais um pulo na praia, jantar e ainda se dar ao luxo de ver o céu estrelado numa praia praticamente deserta. Como eu disse, essa é uma experiência rara no litoral capixaba.

Pousada dos Cocais

Tá certo que a experiência poderia ser ainda mais completa se a pousada disponibilizasse cadeiras e barracas de praia (um lounge, talvez?) aos hóspedes e se o restaurante – que abre para o almoço e jantar – também atendesse os hóspedes na areia. Essa, talvez, seja a minha maior crítica a ela. Pode até ser coisa de turista preguiçoso e mal-acostumado… mas, numa praia quase deserta, ter a comodidade de um serviço à beira-mar faria toda a diferença. #ficaadica

O restaurante da pousada

O restaurante da pousada

Eu namorava a Pousada dos Cocais há bastante tempo, desde que comecei pesquisar sobre o turismo de Aracruz para pautar aqui no Rotas. Mas foi só nesse último final de semana que nós nos programamos para ir com uma turma de amigos, aproveitando que, no momento, eles estão oferecendo 30% de desconto sobre a tarifa normal. R$329,00 era o preço da diária no quarto standard (com café da manhã). R$480,00, na suíte especial, com banheira de hidromassagem. Adivinha qual a Renata escolheu? =)

Pousada dos Cocais

O valor da diária não é nada barato, eu sei. Mas, comparativamente a outras pousadas de praia do estado, que não oferecem o mesmo nível de experiência da Cocais, o preço se revela justo. R$480,00 é, provavelmente, o valor mais em conta que você pagará no Espírito Santo por uma suíte com hidromassagem. E nem todas vão te entregar uma vista tão privilegiada assim:

Pousada dos Cocais

No final das contas, o investimento não foi em vão. Valeu pela experiência de uma hospedagem pé na areia no Espírito Santo. Que o exemplo da Pousada dos Cocais inspire novos estabelecimentos a mudar o padrão médio de hospedagem no litoral capixaba.

Informações úteis:

Pousada dos Cocais

Endereço: Rodovia ES-010, s/n, Praia do Sauê, Aracruz

Telefone: (27) 3250-1515 / 3250-1626

Site oficial: http://www.cocais.com.br/index2.php

* Todas as despesas de hospedagem na Pousada dos Cocais foram pagas do meu bolso, não sendo este um post patrocinado ou apoiado.

* Em parceria com o Booking.com, todas as reservas feitas através dos links citados neste post geram comissão para o blog, sem que você pague nada a mais por isso. É uma forma de ajudar a manter o blog sem qualquer custo para você!

_______________________________

Siga o “Rotas” no Twitter e Instagram

Curta o “Rotas” no Facebook

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital