placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
10
dez
2014

Parc Zoologique de Paris: um programa animal

zoo parc de paris

Quem tem filhos pequenos sabe que animais – seja ele de que espécie for – são uma atração turística em qualquer lugar do mundo. Não há Torre Eiffel nenhuma que resista a um simples “au au” no trajeto do passeio. E a concorrência fica cada vez mais desleal dependendo de quão exótico o bicho é.

Por isso, a gente faz questão de incluir em nosso roteiro uma visita a espaços de contemplação da fauna, como museus, zoológicos e aquários. E em Paris isso não poderia ser diferente. A visita ao Zoológico de Paris se tornou uma das prioridades na nossa programação desde que eu soube de sua reabertura após 4 anos de reforma e ampliação.

13
nov
2014

Paris com bebê: (nosso) roteiro de 4 dias

Eu já falei aqui como a nossa forma de viajar mudou após a chegada da Maria. Entre tantas mudanças, talvez a maior delas tenha sido no ritmo da viagem. Aqueles dias intermináveis e recheado de atrações deram espaço a um roteiro bem mais enxuto e com o mínimo de deslocamento possível. Como eu costumo dizer, a gente desacelerou para respeitar as necessidades e o tempo da Maria.

É por isso que Paris, desde o início, se tornou um destino certo para mim e para a Renata. Eu sei que ninguém precisa de desculpa para voltar a Paris. Mas, no nosso caso, voltar para uma cidade que a gente já conhecia seria a forma mais fácil de desacelerar nas férias. Nós não precisaríamos visitar aqueles lerês tradicionais que, quase sempre, tomam um tempo precioso com filas. E, ao mesmo tempo, a gente poderia focar em atrações voltadas para a Maria sem peso na consciência por estar “perdendo” alguma coisa.

Digamos que a Paris dos casais apaixonados deu lugar à Paris dos bebês. =)

Museu Nacional de História Natural Paris

08
out
2014

A dor e a delícia de viajar com bebês

Eu e Maria

Eu e Maria em Paris

Vocês bem sabem que esse é um assunto no qual eu e a Renata nos aventuramos há pouco tempo. Nossa pequena Maria tem apenas 1 ano e meio de vida. Ainda assim, nós tomamos uma decisão bem clara antes mesmo dela nascer: não privar a Maria do nosso hobby predileto. Foi isso que nos fez cair de cabeça nesse desafio.

É claro que, antes de ter um filho, a gente romantiza tudo. A gente acha que nenhuma grande mudança haverá em nosso dia-a-dia se a gente não complicar demais e que “tudo será como antes no quartel de Abrantes”. Eu precisei virar pai para ver que isso é um ledo engano. Por mais que a gente simplifique a forma de encarar a chegada de um filho, a vida se transforma, a rotina se altera, as preocupações se renovam e o tempo se exaure. Definitivamente, as coisas mudam. E nesse “coisas” eu incluo as viagens.

23
ago
2014

Moquequinha de Banana da Terra: uma coadjuvante ilustre

Foto: Doc-Expoe

Foto: Doc-Expoe

Não, eu não sou nenhum mestre cuca para vir aqui ensinar alguma receita pra vocês. E nem é esse o propósito do blog, como vocês bem sabem. Na verdade, eu abro essa honrosa exceção para a moquequinha de banana da terra por 2 motivos: primeiro, ela já virou marca registrada da gastronomia do nosso estado e costuma surpreender o paladar dos turistas que, na maioria das vezes, nunca comeram antes; e segundo porque volta e meia alguém vem aqui pedir a receita depois de ter experimentado o quitute na viagem ao ES.

Reza a lenda que a moquequinha de banana da terra foi uma invenção dos donos do Restaurante Gaeta, de Meaípe, que a conceberam para servir a um grupo de turistas vegetarianos. A iguaria agradou tanto que passou a integrar o cardápio e ser servida como acompanhamento da tradicional moqueca de peixe.

Hoje ela se encontra no cardápio da maioria dos restaurantes de comida capixaba. E não é raro ver a coadjuvante se tornar a protagonista da mesa. Você pode até não gostar de peixe ou da nossa moqueca. Mas duvido que não goste da nossa moquequinha de banana.

E cá pra nós. Isso a Bahia não tem! 😉

Para quem quer fazer a moquequinha de banana da terra em casa, segue a receita que eu peguei com a minha mãe:

Ingredientes:

3 tomates picados e sem semente

1 cebola média

1/2 molho de salsa

1/2 cebolinha

1/2 molho de coentro

2 a 3 bananas da terra picadas em rodelas

1 colher (sopa) coloral

Sal e alho a gosto

Azeite

2 copos (100 ml) de água

Preparo:

Esquenta a panela de barro, coloca o azeite e bota o sal, o alho e a cebola para dourar. Em seguida, coloca o coloral e joga o tomate e os temperos. Deixa ferver um pouco e, depois, coloca a água. Deixar cozinhando até os temperos dissolverem e o molho engrossar. Por último, joga a banana. Quando ferver, prova o sal e deixa cozinhando por, no máximo, 15 minutos. Está pronto.

19
ago
2014

Restaurantes para crianças em Vitória

Maria em ação no Coronel Picanha

Maria em ação no Coronel Picanha

Todo mundo sabe que o meu cotidiano entrou numa fase #rotinhas desde que a Maria nasceu. Desde então, nossas viagens e passeios em família precisaram passar por uma pequena adaptação para agradar também o gosto da nossa pequena. Principalmente quando o objetivo é “comer fora de casa”. Não dá para pensar que, com um bebê ou uma criança a tiracolo, vai dar pra continuar indo aos mesmos restaurantes que você ia antes. Nessas horas, um mínimo de direcionamento para as crianças faz toda a diferença na escolha.

Daí que, para ajudar os pais na difícil tarefa de escolher um restaurante para almoçar/jantar com crianças em Vitória, eu resolvi pedir a ajuda dos universitários (leia-se: meus amigos nas redes sociais) para mapear os estabelecimentos que se propõem a atrair esse tipo de público. E qualquer esforço é benvindo: um playground, um pula-pula, uma área externa com brinquedos, desenhos e lápis para colorir nas mesas e, claro, um cardápio com opções de pratos infantis.

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital