placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
18
maio
2016

Santa Teresa: a doce terra dos colibris… e do jazz!

Santa Teresa

Quem me acompanha aqui no Rotas já sabe o carinho que tenho por Santa Teresa, a nossa “doce terra dos colibris“. Por todos os motivos que eu mencionei aqui, ela se tornou um dos meus recantos favoritos aqui no Espírito Santo e o favorito nas montanhas capixabas.

Pra falar a verdade, nem precisava de tantos motivos para eu gostar de Santa Teresa. Tivesse só esse e ela já ganharia o meu amor eterno.

Santa Teresa

O balé dos colibris na varanda da casa onde viveu  o ecologista capixaba (e teresense!) Augusto Ruschi é daquelas cenas que eu não canso de (re)ver.

E como se não bastassem todos os motivos que eu já te dei para conhecer – e amar! – Santa Teresa, nesse final de semana você terá mais um: o Festival Internacional de Jazz e Bossa (Santa Jazz). Nos dias 20, 21 e 22 de maio, a cidade se transformará na capital estadual do jazz, com uma programação intensa de shows de artistas nacionais e internacionais.

Santa Jazz

Essa já é a quinta edição do Santa Jazz, que virou tradição na cidade. Para esse ano, a prefeitura espera um movimento de 15 a 20 mil pessoas durante o evento, o que representa praticamente o fluxo mensal de turistas. Daí você vê a importância do evento para o turismo e a economia da cidade.

Eu sei que, a essa altura do campeonato, já deve ser praticamente impossível achar vaga nas poucas pousadas da cidade (algumas delas eu mencionei aqui). Para quem não abre mão do pernoite, existem outras 2 opções: alugar uma casa ou um quarto na casa de um morador da cidade (mais informações na Secretaria de Turismo e Cultura da cidade pelo telefone: 27 3259-1344 / 2357) ou se hospedar nas cidades vizinhas – Santa Leopoldina e Santa Maria de Jetibá.

Mas o bate-volta também não deve ser descartado. Se Santa Teresa já é um bate-volta redondinho a partir de Vitória em dias comuns (como eu sugeri aqui), imagina num final de semana desses? Só é preciso muito – mas MUITO – cuidado com a estrada na volta pra casa! 😉

Santa Teresa

Os shows acontecerão no Parque de Exposições, que fica na entrada da cidade. Serão 2 palcos: o principal e o palco Fames, onde acontecerão apresentações da Faculdade de Música do Espírito Santo. Os ingressos para os shows noturnos podem ser comprados pela internet (clique aqui) ou nos estabelecimentos credenciados (confira relação aqui). Para os shows diurnos (sábado e domingo), a entrada é gratuita.

Entre as atrações do palco principal desse ano estão: Mark Lambert & Quinteto Radio Swing (EUA/Brasil); o guitarrista angolano Nuno Mindelis, considerado um dos melhores do mundo; Shawn Holtcom e sua banda The Teardrops Blues BandFrancis Hime e sua esposa Olivia homenageando Vinícius de MoraesA Cor do Som; Mauro Senize e Gilson PeranzzettaBrasilidade Geral e Rosa Passos; e Vitor Biglione. Confira a programação completa aqui.

Santa Teresa

Então, já sabe. Nesse final de semana o balé dos colibris de Santa Teresa vai ganhar uma trilha sonora ainda mais especial. Não dá pra perder!

Para quem já garantiu a estadia e vai aproveitar o final de semana na cidade, vale a pena conferir a nossa Série Especial sobre Santa Teresa com dicas de atrações e restaurantes.

_______________________________

Siga o “Rotas” no Twitter e Instagram

Curta o “Rotas” no Facebook

28
jun
2015

(Re)visitando Santa Teresa: entre clássicos e novidades

Em meados de maio desse ano a gente resolveu (re)visitar um lugarzinho que, vocês sabem bem, se tornou um dos meus recantos favoritos aqui no Espírito Santo: Santa Teresa. A gente aproveitou as festividades do mês de maio – que, aqui em casa, são três: dia das mães, aniversário da Renata e meu aniversário – para nos dar de presente isso: um final de semana na doce terra dos colibris.

Foi uma visita bem rápida. Fomos no sábado de manhã e voltamos no domingo na hora do almoço. Mas ainda assim deu para revisitar os clássicos e conhecer algumas novidades da terrinha (pelo menos pra mim).

Pousada Villa Theodora

Quanto às novidades eu destaco a Pousada Villa Theodora e o restaurante A Dona da Casa.

A primeira nem é tão novidade assim porque eu já falei sobre ela nesse post. Mas, ao contrário da visita anterior, dessa vez a gente se hospedou lá e teve a oportunidade de conhecê-la em funcionamento.

Villa Theodora

No geral, eu mantenho a recomendação dada no post que eu citei acima e continuo achando a Villa Theodora a melhor opção custo X benefício para famílias na cidade. Como ela fica afastada do centro, hospedar-se ali tem uma grande vantagem para quem procura sossego: o silêncio absoluto dos quartos à noite. Junte isso com o frio que faz por lá nessa época e pronto: você tem toda a desculpa do mundo para dormir o dia todo! 😉

Meu único porém nessa experiência foi o café da manhã: sem nenhum atrativo para encher nossos olhos. Talvez na alta temporada a situação seja diferente. Mas eu confesso que esperava uma mesa mais recheada de produtos do riquíssimo agroturismo capixaba.

IMG_1652

Restaurante A Dona da Casa

Já a segunda novidade foi mais uma indicação certeira que o Murilo Vago, Secretário de Turismo da cidade, me deu: A Dona da Casa, um restaurante de comida mineira que, se nega a origem dos imigrantes que fundaram a região, homenageia – e muito bem – o povo que faz da roça o seu lar afetivo.

A Dona da Casa

Pra começar, o restaurante é a própria “roça”. Ele está localizado numa fazenda à beira de um lago e de um curral com bois e cavalos. Aproveitando-se disso, eles disponibilizam passeios de pôneis e charrete gratuitamente para as crianças nos finais de semana.

A Dona da Casa

Maria foi à loucura, per supuesto.

A Dona da Casa

Além disso, a ambientação do salão remete às típicas casas de fazenda, com um big fogão à lenha aos fundos onde fumegam alguns dos pratos que eles preparam.

A Dona da Casa

No cardápio, as estrelas da cozinha mineira: costelinha de porco, tutu, frango caipira com angu e torresmo, todos em porções muito bem servidas e preços justos.

A Dona da Casa

Pra finalizar o dia de roça, doces caseiros, bolos e cafezinho de cortesia.

Mas, novidades à parte, o que nos levou de volta a Santa Teresa foram mesmo os clássicos. Mais exatamente, três clássicos: o Fabrício, o Museu Mello Leitão e os colibris.

Fabricio Bar e Restaurante

No Fabrício a gente foi para o nosso jantar-comemoração. Foi lá que eu, Renata e Maria cantamos parabéns para mim e para a Renata a três e à luz de velas. 🙂

Fabricio Bar e Restaurante

De tabela, a gente pode ver a transformação da Rua do Lazer, a ruazinha histórica da cidade. De 1 ano pra cá, a rua está ainda mais movimentada e com novos empreendimentos e restaurantes.

O turismo definitivamente parece estar fazendo bem para Santa Teresa.

Já na manhã de domingo nosso destino era certo: o Museu Mello Leitão. Lá a gente tinha um encontro marcado com o maior dos clássicos de Santa Teresa: a varanda dos colibris de Augusto Ruschi.

Varanda dos Colibris

Taí um lugar que eu nunca vou cansar de visitar.

Varanda dos Colibris

E foi assim, entre clássicos e novidades, que a gente (re)visitou Santa Teresa. E se apaixonou ainda mais pela cidade.

P.S: Tudo o que você precisa saber para conhecer Santa Teresa está nesse post. Se faltar tempo para um final de semana (o ideal para conhecê-la por inteiro), vale um bate-volta a partir de Vitória, como eu recomendei nesse outro post.

_______________________________

Siga o “Rotas” no Twitter e Instagram

Curta o “Rotas” no Facebook

21
jan
2015

5 sugestões de bate-volta redondinhos a partir de Vitória

Pedra Azul

Pedra Azul

Do mar à montanha em 40 minutos”. Um dos motes da propaganda oficial do Governo do Estado do Espírito Santo faz realmente todo o sentido. Em um estado de distâncias tão curtas e cheio de diversidades geográficas e culturais, é muito fácil rechear a sua viagem com passeios super diferentes um do outro. Você pode tomar um banho de mar pela manhã e experimentar o melhor da culinária italiana nas montanhas capixabas à tarde, curtindo um clima bem mais agradável. Ou então, conhecer o legado da nossa colonização à beira-mar e, ainda, fazer um passeio de escuna pelas águas de um rio e visitar uma reserva indígena em Aracruz.

Para facilitar a sua vida, nesse post eu vou dar 5 sugestões de bate-volta redondinhos a partir de Vitória. Todos estão a 1 hora (no máximo!!!) de viagem da capital. Tem praia, tem montanha, tem passeio cultural e gastronômico. Basta que você escolha aquele que mais se identifica com o seu perfil de viajante.

Confira dicas de hospedagem em Vitória aqui

08
jul
2014

Santa Teresa: o que fazer? (mapa das atrações)

Casa dos Espumantes

Fomos a Santa Teresa durante um final de semana prolongado aqui em Vitória, aproveitando uma segunda-feira de feriado. Nesses 3 dias de passeio em família, eu tentei ao máximo visitar as principais atrações turísticas da cidade (seguindo o roteiro que o Murilo Vago, Secretário de Turismo do Município, me deu) para apresentar a vocês o que ela tem de melhor.

E o resultado dessa visita você vê nesse post.

Como eu já disse aqui, Santa Teresa é um lugar redondinho para um bate-volta a partir de Vitória. São só 80 km que a separam da nossa capital. Pincele 3 atrações dessa lista (incluindo o Museu Mello Leitão) e pronto! Você terá um aperitivo perfeito das nossas montanhas em um dia de passeio.

27
maio
2014

O Museu de Biologia Professor Mello Leitão

Museu Mello Leitão

Não se preocupe. Eu ainda vou fazer um resumo das principais atrações turísticas de Santa Teresa aqui no Rotas pra facilitar a sua visita. Mas, antes disso, eu preciso fazer um post específico pra falar sobre a principal atração turística da cidade: o Museu de Biologia Professor Mello Leitão.

O Museu Mello Leitão está localizado bem no centro da cidade, na área da antiga Chácara Anita da família Ruschi. Ele foi criado em 1949 pelo próprio Augusto Ruschi para dar suporte ao seu trabalho de pesquisa. Dois anos antes de sua morte, em 1984, ele doou a área para o Governo Federal, que hoje o administra através do Instituto Brasileiro de Museus.

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital