placas instagram foursquare googleplus feed facebook twitter
02
jun
2013

A riqueza de Venda Nova do Imigrante

Venda Nova do Imigrante é uma pequena joia das montanhas capixabas. Não que a cidade seja assim, esteticamente bonita. Não é. Na verdade, o centro urbano atual de Venda Nova é bagunçadinho, arquitetonicamente sem graça e com pouquíssimos resquícios da época do surgimento da cidade.

A riqueza de Venda Nova não está na sua “arquitetura europeia”, como poderia pensar quem apressadamente se depara com a propaganda oficial das nossas montanhas. A riqueza de Venda Nova está na beleza natural de seu entorno, na força de suas raízes europeias e, principalmente, na pujança do seu agroturismo.

Pra começar, Venda Nova está ao lado do Parque Estadual da Pedra Azul, uma das regiões mais belas do nosso estado. São só 10 km da sede do Parque à sede do município, o que torna perfeitamente possível explorar as belezas naturais de Pedra Azul para quem está em Venda Nova.

A famosa Pedra Azul

A famosa Pedra Azul

Mas o quesito “beleza natural” não se restringe a isso. O entorno de Venda Nova, cheio de montanhas e mata atlântica, guarda muitas outras paisagens belíssimas, como essa que se tem do alto da torre da TV:

Foto: Vinicius Depizzol (CC BY-SA 2.0)

Foto: Vinicius Depizzol (CC BY-SA 2.0)

Para os amantes da natureza, a cidade possui ainda o orquidário mais famoso do Estado, o da família Caliman, sobre o qual eu já falei aqui.

Orquidário Caliman

A região onde Venda Nova se situa foi originalmente povoada por imigrantes italianos que chegaram ao Espírito Santo no final do século XIX em busca de novas oportunidades. Ao lado de Santa Teresa, Venda Nova possui a maior colônia de descendentes italianos do Estado. E o legado dessa imigração se faz presente até hoje nos traços de sua gente, nos sobrenomes das famílias e, principalmente, nas tradições culturais.

Venda Nova do Imigrante

Seja na gastronomia, seja na cultura, Venda Nova celebra o orgulho do sangue italiano. A polenta, alimento típico do norte da Itália, de onde vieram os imigrantes, é atualmente o símbolo da cidade, que a celebra com uma grande festa em outubro (veja o meu relato sobre a Festa da Polenta aqui).

Festa da Polenta

Festa da Polenta

Outras duas guarnições muito usadas na gastronomia local também são celebradas com festa: o milho (que será usado para fazer a polenta da festa) e o socol, um embutido de carne de porco típico da região, sobre o qual falarei em post específico.

O famoso Socol

O famoso Socol

Por sua vez, a memória dos imigrantes é festejada anualmente na famosa Serenata Italiana, que acontece sempre em julho. Nesse dia, vários grupos de pessoas saem de diferentes locais da cidade com destino ao Centro de Eventos Padre Cleto Caliman. Eles caminham cantando músicas italianas e consumindo as bebidas e comidas que são preparadas no fogão a lenha móvel ou aquelas oferecidas pelos moradores que abrem as portas de suas casas para os que passam. No cardápio, claro, muita polenta com queijo.

Venda Nova do Imigrante

Mas, talvez, a maior riqueza que os imigrantes deixaram para Venda Nova foi o trabalho no campo. Explico. Como eu disse acima, os italianos vieram para cá em busca de novas oportunidades de vida. Aqui, eles adquiriram pequenas propriedades rurais e fizeram da agricultura o ganha-pão da família. Esse trabalho no campo sustentou a economia da região por anos e anos até se tornar o ganha-pão oficial da cidade. Pelo menos, em termos turísticos. Atualmente, o turismo de Venda Nova atende pelo nome de “agroturismo”. Foi aqui que esse termo foi cunhado lá na década de 80 pela mão dos Carnielli, os pioneiros nessa atividade e sobre quem falarei em outro post. E o profissionalismo e a diversidade do agroturismo venda-novense chegaram a um nível tal que renderam à cidade o título de Capital Nacional do Agroturismo, dado pela Associação Brasileira de Turismo Rural.

Venda Nova do Imigrante

Que me desculpem os outros, mas agroturismo tão bem estruturado, diversificado e profissional como o de Venda Nova não há por aí. Nas propriedades rurais que fazem parte dos diversos circuitos turísticos temáticos, você encontrará café, queijo, iogurte, vinhos, geleias, biscoitos, massas, antepastos, mel, produtos orgânicos e até o famoso socol. Com tantas e boas opções gastronômicas, dá pra fazer da sua despensa uma verdadeira vitrine da comfort food!

Queijos na Fazenda Carnielli

Queijos na Fazenda Carnielli

O agroturismo de Venda Nova será tema dos próximos posts. Neles, você vai conhecer algumas das propriedades rurais que se destacam nessa atividade.

Aguardem!

_______________________________

Siga o “Rotas” no Twitter e Instagram

Curta o “Rotas” no Facebook

14
out
2010

Polenta com diversão!

Funiculi, funiculá!

No último final de semana, entre os dias 08 e 10 de outubro, aconteceu a 32ª Festa da Polenta em Venda Nova do Imigrante, município da região serrana do Espírito Santo. E, como não poderia deixar de ser, estivemos lá para conferir e contar os detalhes desse evento, que é um dos mais tradicionais e populares do nosso Estado.

13
out
2010

Mudando de assunto…

Para quem achou o “Rotas” levemente monotemático no último mês, um consolo: a série sobre Itaúnas – que eu prometi e cumpri! – finalmente chegou ao fim, liberando-me para mudar de vez o assunto. Aliás, assunto é o que não falta para o “Rotas”; o que falta mesmo é tempo para os blogueiros (né não, Marçal?).

Então abram alas para o nosso próximo post: impressões sobre a Festa da Polenta, em Venda Nova do Imigrante. Tem alguém com água na boca aí?

 

2012. Todos os direitos reservados ao blog Rotas Capixabas. Qualquer reprodução indevida de conteúdo é expressamente proibida. digital